Relação homem/cavalo

Relação homem/cavalo

A equoterapia é um tipo de terapia com cavalos que serve para estimular o desenvolvimento da mente e do corpo. De acordo com comprovações científicas, o andar do cavalo ao passo se assemelha em mais de 90% ao caminhar humano. Desta forma, sabe-se que o andar do cavalo ao passo estimula de maneira rítmica, persistente e eficiente os músculos receptores senso-perceptivos do cavaleiro, que ao estar em sintonia com o eixo do animal, recebe os impulsos que serão levados ao cérebro. Além deste aspecto motor da estimulação que o cavalo proporciona ao cavaleiro, não se pode dar menos importância aos vínculos afetivos e aos relacionamentos que se formam entre as pessoas e eles. Para falar sobre assunto, entrevistamos, abaixo, Vera Horne, psicóloga e 2ª vice-presidente da ANDE-Brasil – Associação Nacional de Equoterapia. Confira.

1. O que é equoterapia?

R: De acordo com a ANDE-BRASIL – Associação Nacional de Equoterapia -, a equoterapia é um método terapêutico que emprega o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais. A palavra equoterapia foi criada pela ANDE-BRASIL para caracterizar todas as práticas que utilizam técnicas de equitação, e/ou atividades com e a cavalo, as quais tenham como finalidade a reabilitação integral dos indivíduos que apresentam uma ou mais deficiências e/ou necessidades especiais.

 

2. Em quais situações a equoterapia é indicada e por quê?

R: A clientela da equoterapia compreende pessoas a partir dos dois ou três anos de idade, conforme seu diagnóstico médico, que apresentam lesões neuromotoras de origem encefálica ou medular, síndromes diversas, patologias ortopédicas congênitas ou adquiridas, disfunções sensório-motoras, transtornos mentais evolutivos, comportamentais, cognitivos, de aprendizagem e/ou emocionais, entre outros quadros clínicos.

Desde o início da divulgação desta metodologia inovadora, principalmente a partir da fundação da ANDE-BRASIL em 1989, a equoterapia vem mostrando resultados muito importantes que foram e são observados pelas famílias dos praticantes, seus professores e profissionais envolvidos nas terapias. E a partir dos benefícios constatados, da frequência e rapidez com que ocorrem, a equoterapia passou a ser uma das indicações terapêuticas para buscar a reabilitação das pessoas.

 

3. Por que o uso do cavalo para a realização de terapias com humanos?

R: O cavalo sempre esteve vinculado ao homem, desde há milhões de anos, tendo sido considerado o seu principal meio de transporte e também seu aliado nas guerras e disputas entre povos, chegando a ser um bem dos mais valiosos para a sobrevivência da humanidade. Após guerras acontecidas ainda na idade média, muitos soldados tiveram sua recuperação, tanto física quanto psicológica, devida ao ato de montar a cavalo, sendo um dos “instrumentos” de exercícios mais disponíveis na época. Já na idade moderna, temos relatos escritos de famosos médicos que recomendavam andar a cavalo como forma de reabilitação do stress pós-traumático, depressão e outras chamadas neuroses. Até mesmo uma máquina com movimentos na forma de sela do cavalo foi inventada para que pacientes com maiores dificuldades pudessem desfrutar do movimento, que seria semelhante ao do animal.

Publicidade

Hoje, temos a comprovação científica, através de pesquisas sérias, de que o andar do cavalo ao passo se assemelha em mais de 90% ao caminhar humano. Desta forma, sabe-se que o andar do cavalo ao passo estimula de maneira rítmica, persistente e eficiente os músculos receptores senso-perceptivos do cavaleiro, que ao estar em sintonia com o eixo do animal, recebe os impulsos que serão levados ao cérebro.

Além deste aspecto motor da estimulação que o cavalo proporciona ao cavaleiro, não se pode dar menos importância aos vínculos afetivos e aos relacionamentos que se formam entre as pessoas e eles. Parte-se do princípio de que o animal não possui ideias pré-concebidas sobre a pessoa que se aproxima dele. Vai aceitá-la e compreenderá o que ela deseja dele, desde que receba os estímulos adequados, em um tratamento respeitoso e afetuoso.

 

4. Existem raças de cavalos que são próprias para a equoterapia? Se sim, quais e por quê?

R: Não existem raças mais adequadas para o trabalho na equoterapia. Existem cavalos mais adequados, mais conformes às necessidades dos cavaleiros, que na equoterapia são tratados de praticantes. Os cavalos precisam ser dóceis e obedientes, ou seja, bem treinados à voz, ter uma conformação física boa e sem defeitos ao caminhar.

Existem animais de determinadas raças que, a princípio, não produzem os mesmos efeitos estimulantes no praticante, já estudados e estabelecidos como ideais. No entanto, estes animais poderão ser empregados na terapia que será realizada com praticantes em que o aspecto motor não seja o preponderante a ser trabalhado.

 

5. Quais são os cuidados necessários com os cavalos que realizam a equoterapia?  Normalmente os cavalos que fazem equoterapia não realizam outras atividades?

R: O cuidado com os cavalos de equoterapia, que atuam também como terapeutas, não difere em quase nada aos cuidados que se deve ter com qualquer cavalo ou animal. Precisam ter espaço adequado para residir quando não estiverem trabalhando, ter seus horários de alimentação respeitados, água abundante, limpeza e higiene rigorosas, tratamento respeitoso por cuidadores e treinamento frequente e adequado, levando-se em conta o ambiente em que estarão trabalhando e o uso de objetos e material pedagógico “diferentes” e aos quais necessitam estar adaptados.

 

6. Como funcionam as sessões de equoterapia? Tempo, tem um profissional que acompanha, exercícios diferentes de acordo com as necessidades do paciente etc.

R: As sessões são planejadas por equipes de profissionais levando em conta as avaliações médica, psicológica e fisioterápica que são solicitadas a todos os candidatos, antes do início de qualquer atividade com ou a cavalo. Os locais de atendimento em equoterapia são chamados de centros de equoterapia, e de acordo com a metodologia divulgada pela ANDE-BRASIL devem ser constituídos por equipes multiprofissionais com fisioterapeuta, psicólogo e profissional de equitação, no mínimo, e, na medida em que seja possível, por outros profissionais das áreas da saúde e da educação.

As sessões de equoterapia não devem durar mais de 30 minutos se for essencialmente de montaria. Como a equoterapia pode ser aplicada no ambiente equestre, também em solo, as sessões poderão ter duração maior, a critério dos profissionais das equipes.

Os praticantes quando estão a cavalo podem ser acompanhados por até 3 indivíduos, o que será um critério apontado pela equipe local, serão estes o terapeuta ou mediador da sessão, o auxiliar lateral que poderá ser outro profissional para garantir a segurança física do cavaleiro, e um auxiliar guia, que tem a função exclusiva de conduzir o cavalo, prevenindo acidentes que possam ser causados por inquietação do animal ou pela passagem por terrenos difíceis.

De acordo com a metodologia da equoterapia, os exercícios iniciais são basicamente de aquisição de confiança e dissociação de movimentos no cavalo. Naturalmente, estes exercícios serão mais aprofundados e o nível de exigência será aumentado, de acordo com as respostas do praticante. Para tanto, as atividades serão propostas por determinados profissionais da equipe, segundo um ou dois objetivos dos quatro programas da equoterapia que já foram estabelecidos pela ANDE-BRASIL, que são: Hipoterapia; Educação/ Re-educação; Pré-esportivo e Prática Esportiva Paraequestre.

 

7. Quantos locais no Brasil realizam a equoterapia? Destacar alguns que são referência e locais que são gratuitos.

R: Atualmente temos conhecimento de cerca de 200 centros de equoterapia que estão trabalhando de forma regular e vinculados à ANDE-BRASIL. Naturalmente, devem existir outros locais que ainda não estão estruturados para solicitarem sua vinculação, ou seja, ainda não possuem os requisitos mínimos da ANDE-BRASIL para se constituírem em centros de equoterapia, de fato.

No estado de São Paulo, há vários locais que apresentam um trabalho de alto nível de qualidade no campo da equoterapia. Alguns têm ligações com instituições como a Polícia Militar do Estado, outros fizeram parcerias com universidades e com outras entidades, como APAEs, e inclusive com empresas, e, por isso mesmo, podem oferecer um atendimento gratuito ou quase gratuito à clientela. No site da ANDE-BRASIL (www.equoterapia.org.br) é possível verificar os nomes dos centros de equoterapia do Brasil que estão registrados na ANDE-BRASIL.

 

Gostou das informações? Toda semana tem texto novo por aqui e nos acompanhe também nas redes sociais.

 

 

 

Compartilhe:
16 de abril de 2018 / por / em ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *