Seu cão gosta de nadar? Saiba quais são os cuidados que devem ser tomados

Seu cão gosta de nadar? Saiba quais são os cuidados que devem ser tomados

Algumas raças de cães gostam de água, chegando até a pular na piscina ou entrando no mar nos dias muitos quentes. E mesmo os que não gostam tanto, podem se interessar em se refrescar no calor. Para saber como proceder nesse momento, o que fazer com seu animal enquanto ele se refresca e na hora de sair da água, entrevistamos, abaixo, Andressa Felisbino, veterinária da DrogaVet. Confira.

 

 

1 – Cachorros podem nadar em qualquer piscina ou no mar? Explique os motivos.

A indicação é que os cães que gostam de se molhar e ter acesso a piscina tenham uma piscina própria e com um ph específico para eles. As piscinas utilizadas por nós, humanos, têm muito cloro e outras substâncias químicas que podem ser prejudiciais ao animal.

A principal área afetada por animais que frequentam piscinas e mares está relacionada à parte dermatológica, podendo desenvolver alergias e alterações nos pelos, considerando que estes animais podem ingerir a água e sofrer alterações gastrointestinais e até mesmo intoxicações com os produtos utilizados para o tratamento da água.

Em relação ao pet entrar no mar não existem restrições. Entretanto, a praia pode ser perigosa, pois os animais sofrem com o excesso de calor, podendo causar desidratação e intermação. O animal pode ter acesso também a restos de alimentos deixados por outros banhistas e destroços de peixes mortos, entre outros derivados do mar.

Publicidade

A água do mar pode ser prejudicial, já que com a correnteza das ondas o pet pode ser facilmente arrastado para longe, podendo ocasionar afogamentos e o animal se perder do seu tutor. Outro fator preocupante é a ingestão da água, causando distúrbios gastroentéricos e infecções no ouvido, como otite, quando a água entra nos condutos durante as brincadeiras e mergulhos.

 

 

2 – Como deve ser a entrada do cão na água? O dono deve estar junto?

O mais importante é que o animal entre na água da forma mais tranquila possível, no seu próprio tempo, sem forçá-lo e sem pressa, para que ele se sinta seguro. O tutor deve estar sempre presente monitorando esse momento e, preferencialmente, entrar com o animal para transmitir confiança.

 

3 – Como saber se o cão está gostando de ficar na água ou não? E, caso não, como devemos proceder?

Se o animal não entrou na água espontaneamente ou não aceitou ser submetido a essa atividade, não o force, pois isso significa que o pet simplesmente não quer ou que a água não é interessante para ele. Sinais como tremores e tentativas de se afastar do local já são suficientes para entender que o animal não está se divertindo. Forçar esse tipo de situação vai apenas gerar estresse no pet causando insegurança e medo. Nunca insistir na situação.

 

4 – Quais são os cuidados com o animal ao tirá-lo da água?

O ideal é que a piscina tenha uma saída própria para os pets, como rampa ou escada. Por diversas vezes, mesmo quando os animais têm acesso, eles não sabem como sair. Então, o tutor deve ensinar e incentivá-lo a entrar e sair várias vezes com brinquedos e petiscos direcionando o pet para esse local.

Ainda é indicado o uso de um peitoral ou um colete de segurança para poder puxá-lo agilmente, caso necessário. Enforcadores são totalmente contraindicados podendo gerar engasgos e afogamentos em casos de afundar a cabeça. Reforçando que o animal nunca deve estar sozinho na piscina, mesmo que saiba nadar, entrar e sair da piscina.

 

 

5 – Existem algumas raças de cães ou cães com determinadas características que não podem nadar? Cite quais e os motivos que os impedem de praticar o exercício.

A estrutura física de algumas raças dificulta ou até mesmo impede que o pet pratique esse tipo de atividade. Outros, simplesmente não tem o instinto de nadar.

Os braquicefálicos como Pugs, Shitzus, Cavalier e Buldogues apresentam estruturalmente uma cabeça mais curta e mais achatada que outras raças, têm ossos mais pesados e membros curtos, isso facilita para que o animal afunde e não consiga manter a cabeça para fora da água. Para que essas raças pratiquem esse tipo de atividade é necessário uso de coletes tipo boia e estarem sempre com o seu tutor no colo ou bem próximos.

O  Dachshund e Basset Hound apresentam membros curtos e corpo alongado dificultando o nado. Já a maioria dos Bulls tem a cabeça desproporcional ao corpo, por isso não apresentam o instinto de nadar.

 

6 – Mesmo cães que adoram água, como Golden Retriever e Labrador, devem receber cuidados ao entrar e sair da água? Cite quais são.

Cães como Golden e Labrador adoram água e tem um instinto de caçar mergulhando. Para evitar acidentes com esse tipo de raça alguns cuidados a mais além dos já citados devem ser tomados, como utilizar uma rede de proteção ao redor da piscina, pois esses cães podem pular na água sempre que sentirem atraídos ou estiverem com calor.

 

Gostou das dicas? Continue nos seguindo por aqui e nas redes sociais do e-animals.

 

 

Compartilhe:
4 de fevereiro de 2020 / por / em ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *